Movimento LGBT é recebido pela Presidenta Dilma Rousseff no Dia do Orgulho de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.

Por Carla Ayres

A Diretora Presidente do Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT, Carla Ayres, que também faz parte da Articulação Brasileira de Lésbicas (ABL) e integra o Conselho Nacional Contra Discriminação LGBT (CNCD/LGBT), e também a Diretora de Informação do Grupo (Guilhermina Cunha), atual vice-presidente lésbica da ABGLT (Associação Brasileira De Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), que também integra do CNCD/LGBT, estiveram em Brasília-DF entre os dias 24 e 28 de junho para uma séria de agendas, dentre as quais: Planejamento Estratégico do CNCD/LGBT, Lançamento do Sistema Nacional LGBT de Promoção de Direitos e Enfrentamento a Violência Contra LGBT e por fim uma reunião com a Presidenta Dilma Rousseff, na manhã do dia 28.

1010910_600636613303201_1802850065_n

É importante destacar que o dia 28 de junho ficou conhecido internacionalmente como o Dia do Orgulho LGBT após a chamada Revolta de Stone Wall, em São Francisco (EUA). Neste episódio as pessoas LGBT enfrentaram a dura repressão policial existente na época contra a livre expressão de suas orientações sexuais e identidades de gênero. Sendo assim, além das diversas manifestações que marcam a data no país, esta semana tem simbolismo fundamental para o Movimento LGBT, pois pela primeira vez em sua história de luta no Brasil, seus representantes foram recebidos no Palácio do Planalto pela representante maior do Estado, a Presidenta Dilma Rousseff.

Na ocasião, os representantes das entidades civis que compõem o Conselho Nacional LGBT apresentaram para Presidenta não só um balanço conjuntural da situação das Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais no Brasil, como também relataram o cotidiano de uma população que não vivencia ainda a cidadania plena. Nas falas, o movimento retratou em números o quadro de violência Homo-Lesbo-Transfóbica da qual a população LGBT é vítima.

Este quadro encontra subsídio no 2º Relatório Anual de Violência Homofóbica no Brasil – com base nas denúncias endereçadas à Ouvidoria de Violações aos Direitos Humanos (Disque 100) – lançado ontem (27/06) pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR). De acordo com os dados o ano de 2012 apresentou um aumento de 166% no número de denúncias de violações aos direitos humanos LGBT, em relação a 2011. No último ano foram registradas (ou noticiadas) 9.982 violações envolvendo 4.851 vítimas e 4.784 suspeitos, dentre as quais 310 são homicídios, caracterizados, em sua grande maioria, com requintes de ódio e crueldade. Isso equivale a dizer que cerca de quatorze (14) pessoas são vítimas de violências homo- lesbo- tranfóbicas por dia.

Com base nisto, o dia de ontem (27/06) marcou também o lançamento do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento a Violência Contra LGBT, pelo qual a SDH/PR pretende estabelecer um pacto federativo de promoção da cidadania LGBT por meio da implantação de Conselhos Estaduais e Municipais LGBT, Coordenadorias e Planos de Políticas Públicas voltadas para esta população.

Dentre as pautas elencadas pelo Movimento LGBT no encontro com Dilma estavam, além do apoio irrestrito à implementação do Sistema Nacional LGBT, pontos como:

1) Mobilização da base do governo para a imediata aprovação do PLC 122/06 que criminaliza as expressões de ódio e todas as formas de intolerância e discriminação em relação à orientação sexual, identidade de gênero, religiosidade, geração, gênero, territorialidade, acessibilidade, étnico-racial, e outras;

2) Lançamento do 2º Plano Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra LGBT;

3) Priorização orçamentária para as políticas públicas LGBT, com programa específico nos instrumentos do Orçamento Federal (PPA, LOA e LDO), com o objetivo de efetivar o Sistema Nacional LGBT, consolidar o funcionamento da Coordenação Geral LGBT e do Conselho Nacional LGBT, e de ser uma resposta concreta do Estado e do Governo aos altos índices de violência homo-lesbo-transfóbica no país;

4) Garantia dos avanços conquistados na política de saúde, a exemplo do SPE (Saúde e Prevenção na Escola), do Plano de Feminização da AIDS e do Plano de Saúde Integral LGBT, bem como a apresentação de respostas concretas do Governo às violências contra a livre expressão da orientação sexual e identidade de gênero, detectadas no ambiente escolar;

5) Mobilização da base do Governo para a rejeição do PDC 234 (Projeto da Cura Gay) e da PEC 99 que, para nós, fere diretamente o princípio da laicidade do Estado.

De acordo com a Presidenta o Estado é laico e, em nome da Presidência, e do governo, se posicionará sempre contra todas as formas de intolerância e discriminação.

Dilma LGBT 28 Junho 2013

Anúncios

Marcha pelo Dia Mundial do Orgulho LGBT – 28 de Junho – Florianópolis/SC

Dia-do-Orgulho-LGBT-2013 - Floripa

O Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT nasce com a finalidade fundamental de organizar o maior número de pessoas interessadas em defender e promover por meio da Política, Arte e Cultura o direito à liberdade da orientação sexual e identidade de gênero bem como a promoção da autoestima e cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT).

No mundo inteiro, tradicionalmente celebra-se o chamado Dia do Orgulho LGBT no dia 28 de junho. A significância da data é o marco do início do movimento LGBT. Neste dia, em 1969, ocorreu na cidade de Nova Iorque o que veio a ser conhecida como a Rebelião de Stonewall. O Stonewall Inn era (e ainda é) um bar de frequência LGBT que sofria repetidas batidas policiais sem justificativa. Naquela noite, os frequentadores se revoltaram contra a polícia e o tumulto que se seguiu durou três dias, mudando para sempre as atitudes repressivas das autoridades perante as pessoas LGBT. Deu-se início à luta em prol da liberdade de expressão e igualdade de direitos de LGBT. A partir de então este dia é celebrado como uma expressão de orgulho – e não de vergonha – de assumir publicamente a sua orientação sexual e identidade de gênero LGBT.

O Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT junta-se a diversos setores da sociedade, movimentos sociais, grupos e demais companheir@s para relembrar esta data reivindicando o FIM DA HOMOFOBIA NO BRASIL. Em 2012 foram documentados 338 assassinatos de LGBT em nosso país, um assassinato a cada 26 horas. O Brasil confirma sua posição de primeiro lugar no ranking mundial de assassinatos homofóbicos, concentrando 44% do total de execuções de todo o planeta. Para que este verdadeiro massacre acabe, exigimos a votação e aprovação IMEDIATA do PLC 122 que torna a Homofobia crime no Brasil.

Ainda lutamos pela lei que regulariza o casamento entre pessoas do mesmo sexo; e a manutenção de um Estado verdadeiramente laico, onde religião e política sejam coisas distintas, erradicando a influência de setores fundamentalistas no legislativo nacional, sendo estes os maiores responsáveis por todo conservadorismo resultante nesta onda de violência, morte e retrocesso nas políticas públicas.

Homofobia não se justifica, se combate. Somos todos iguais.

Venha para as ruas!!

 

 

O Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT está oficialmente fundado

No último sábado, dia 22 de junho, nasceu sob um lindo final de tarde, o Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT. Estiveram presentes na sede da instituição, além dos membros fundadores, uma série de convidados para a Assembleia de Fundação.

Além da leitura, discussão e aprovação do Estatuto Social do Grupo, foram eleitos na Assembleia, os nomes que a partir de então, passaram a compor o Conselho Diretor, conforme segue: Diretora Presidente – Carla Simara Ayres; Diretor Administrativo – Alexandre Bogas; Diretora de Gestão de Informação – Guilhermina Cunha; e, Diretor Artístico e Cultural – Fabrício Gastaldi.

A Diretora Presidente aproveitou a oportunidade para apresentar a missão do Grupo, os anseios e objetivos que compõem a relação entre a Arte e a Política na promoção da cidadania LGBT e dos Direitos Humanos de modo mais amplo.

Por fim, os presentes assistiram a uma instalação artística do estudante de Artes Cênicas – Gregori Homa, e confraternizaram-se ao redor de uma fogueira para aquecer a noite fria que caiu em Florianópolis.

Grupo Acontece Arte e Política LGBT

Membros Fundadores

Conselho Diretor

Maricota

Poesia na Fogueira

Arte e Política

Interversão Artística

Leitura do Estatuto

Leitura do Estatuto

Entrevista na Radio Record/SC – Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT

logo-radio1

Hoje (21/06) às 13:45h a Rádio Record de Santa Catarina entrevista representante do Grupo ACONTECE – Arte e Política LGBT.

Durante a conversa vamos tratar da Assembleia de Fundação do Grupo que acontecerá AMANHÃ (22/06) às 16h na Servidão do Morro Alto, 95, Costa de Dentro (Pantano do Sul). Além disso, destacamos qual o papel do Grupo na Militância LGBT de Florianópolis, sua missão e as principais atividades.

ACOMPANHE Ao Vivo pelo Link: http://ricmais.com.br/sc/radiorecord/

Participe da Assembleia de Fundação!